Seu computador está lento, e você está desconfiando que é vírus! Mas como saber se realmente é? Acredite ou não, essa dúvida é muito comum entre os usuários de internet e principalmente os estudantes de informática para concursos.

Porém, o que vale ressaltar é que o problema nem sempre se trata de um vírus, e as pessoas acabam perdendo muitos arquivos por conta disso, o que é muito ruim, só de início.

Por isso, você vai ver a seguir o modo certo de identificar se de fato há vírus no seu dispositivo, ou outra coisa.

3 características principais dos Vírus

Uma das coisas que todo usuário deve saber, é que o vírus eletrônico (vírus de computador), é muito semelhante a um vírus biológico (que afetam seres humanos.)

Vamos ver então 3 principais características encontradas em um vírus para que você possa entender do que estamos falando.

  1. Parasita

Assim como no vírus biológico, o vírus eletrônico é parasita, e ele é colocado em arquivos, documentos e mesmo programas, dentre outros arquivos.

Por exemplo, se você um documento do Word, existe a probabilidade que nele esteja o vírus “escondido”, apenas esperando a “hora certa de agir.”

Se o usuário tem um antivírus instalado, pode ser que este acuse de primeira, assim que o arquivo é baixado. Porém, infelizmente isso não acontece sempre.

Muitas vezes, acontece de você baixar um programa infectado e o seu antivírus não acusar.

Por isso, é natural que o usuário tome cuidado ao baixar arquivos enviados a sites piratas para evitar este tipo de problema.

  1. Específico

Os vírus são feitos para arquivos específicos, sendo que se você não tem aquele tipo de arquivo, não tem por que você o ter.

Para exemplificar, existe um vírus chamado de vírus de Macro, que afeta os arquivos Office. Então, se você não tem o office instalado, está livre dele.

Por isso, o vírus que vem no seu arquivo exe, dificilmente será o mesmo que veio no seu arquivo Word ou Excel.

  1. Executável

Olha que interessante: se você baixar um arquivo infectado de e-mail, pro exemplo, isso não quer dizer que seu computador está infectado. Mas a partir do momento em você abre o arquivo, ele contamina seu dispositivo.

Assim, se alguém lhe enviar um arquivo Word em anexo por e-mail, e este estiver infectado pelo Macro, ele não vai ter ação até que você abra o arquivo.

Por isso, é bom que tome cuidado para não acabar executando um arquivo sem antes ter certeza de que este é seguro, passando o antivírus.

E no meu concurso?

Em seu concurso público, é capaz de cair uma questão falando essas 3 características, pedindo para você marcar qual malware se caracteriza assim. Se isso acontecer, você já sabe que o certo a marcar é o vírus.

Do mesmo modo, pode ser que a pergunta seja quais as 3 características principais do vírus. Nesta hora, você marca a alternativa que tem: parasita, específico e executável (não necessariamente nessa ordem).

Tome cuidado também com as chamadas “pegadinhas”. Estas são aquelas questões que acabam usando palavras diferentes para confundir a sua mente. Você não precisa cair nessa.

Embora isso seja raro acontecer, é bom ter isso em mente e se preparar bem, para, caso aconteça, você seja aquele que vai tirar vantagem da situação.

Conclusão

Você pode ganhar muitas posições se estudar bem essas coisas. Tome cuidado então para não esquecer o que você aprendeu sobre vírus neste artigo. Aproveite também para conhecer outros assuntos neste blog, aprendo de vez informática para concurso e não esqueça de acessar nossas redes sócias, pois temos muitos conteúdos valiosos para você.

Instagram: @carlosviana_

Facebook: professorcarlosviana

Youtube: profcarlosviana

 

Instagram: @carlosviana_

Facebook: professorcarlosviana

Youtube: profcarlosviana

 

COMENTE PELO SITE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *